A verdade que era mentira

Era pra ser mentira.
Mas aconteceu mesmo.
Ele ligou pra esposa, dizendo que teria que trabalhar até mais tarde, reunião marcada na última hora.
Seus planos eram outros, mais libidinosos.
Quando estava saindo pra sua empreitada, seu diretor o chama.
Queria fazer uma reunião. Sabia que estava muito em cima da hora, mas era importantíssimo.
A conversa durou quase duas horas.
Ao fim da reunião, pensou em prosseguir com suas devassas intenções.
Ligou pra esposa novamente. Disse que o carro quebrara e não estava conseguindo falar com a seguradora. Iria se atrasar mais.
Pronto. Caminho aberto para a luxúria.
2 km depois, o carro quebra. Inexplicavelmente.
Tenta ligar para a seguradora. Mas não consegue.
O que está acontecendo? Praga da mulher? Castigo por ser infiel?
E assim foi acontecendo com ele.
Toda vez que inventava uma mentira, esta se tornava verdade.
A pior foi quando acordou de ressaca. E ligou pra empresa mentindo que estava com suspeita de dengue.
Horas depois descobriu que realmente fora infectado pelo Aedes aegypti. Foi internado.
Toda desculpa que ele inventa, vira verdade.
Tinha uma reunião importante hoje. Mas não deu tempo de terminar o relatório.
Ligou cedinho cancelando. Disse que a avó estava muito doente.
Coitada da velhinha.

Esta entrada foi publicada em Crônicas. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas para A verdade que era mentira

  1. Mirian disse:

    Tadinha!! Hahahaha
    Suas crônicas estão cada vez melhores. Parabéns Ricardo!

  2. Michel Torres disse:

    Muito bom, Ricardo.
    Não existe nada mais escravizador que a mentira.

    Vou até publicar a crônica no meu perfil no Facebook.

  3. Fernando Gondim disse:

    Caro Ricardo,

    Lembrei-me do meu pai, que do alto da sua sabedoria, me dizia sempre: A verdade liberta. Abraço e parabéns pelo ótimo blog.

Os comentários estão fechados.