Crônica especialmente escrita para aqueles dois

Quando saber se o amor por alguém acabou?
Será que é quando há muitas brigas? Talvez.
Percebo que há muitos casos em que a ausência de conflitos é sinônimo de indiferença, esta sim, antônimo perfeito do amor.
Será que é quando os dois cobram e não recebem respeito? Pode ser.
Mas o respeito perdido pode ser oferecido novamente e reconquistado.
Será que é quando dizemos e ouvimos palavras que magoam? Quem sabe.
Porém, como seria bom se as palavras sempre fossem expressão exata do que sentimos. Quantas vezes dizemos o oposto do que sentimos. Quantas verdades boas deixamos de dizer. Nem sempre a lógica e o amor caminham juntos.
Será que é quando não se tem mais perspectiva? Nem sempre.
Quantas vezes um trecho cheio de neblina esconde o Sol que dissipa as nuvens, a amargura.
Será que é quando um dos dois decide sair de casa? Eventualmente.
Mas quantas vezes esse é um gesto dramático, apenas para querer ouvir: “Volta, a casa e minha vida ficam vazias sem você”.
Será que é quando deixa-se de sentir? Não necessariamente.
O cotidiano tende a anestesiar as coisas. Mas a anestesia passa. E o sentimentos voltam a gritar. Confusos. Muitos. É preciso sabedoria para saber qual deles merece ser ouvido.
Será que é quando não se reconhece mais o outro? Quase nunca.
O que te fez querer a outra pessoa ainda está ali. Às vezes, não mais tão evidente. Talvez soterrado pela tristeza, orgulho, cicatrizes. Mas pronto a ser encontrado por quem procurar com os olhos enamorados de antes.
Será que o amor entre vocês acabou?
Está na cara que não. E no coração também.

Esta entrada foi publicada em Crônicas. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas para Crônica especialmente escrita para aqueles dois

  1. Filipe Marcel disse:

    Top!!

  2. HENRIQUE disse:

    MUITO BOM!

Os comentários estão fechados.