Micro-histórias

Ele não sabia, mas aquele era seu último dia de vida.
Acordou atrasado, saiu esbaforido, reclamando do trânsito, do calor, da mega-sena que outro ganhara.
Chegou atrasado ao trabalho. Estava sempre devendo alguma coisa: o pedido do cliente, a planilha para o chefe, um sorriso pra todos.
Viveu aquele último dia como vinha vivendo os outros: sem vida.

Resolveu fazer uma surpresa para a esposa: uma viagem.
Ele não economizou. Voltaram para o lugar da lua-de-mel.
Vinte e sete anos depois. O lugar estava diferente, quase irreconhecível.
Eles também estavam mudados. Mas ainda se reconheciam: Eram aqueles adolescentes, de mãos dadas, sem saber de nada, mas eram tudo, um para o outro.

O bebê nasceu. E ainda não tinha nome.
O pai queria Ludovico.
A mãe queria o divórcio.
Decidiram homenagear um professor valorizado.
O pequeno Raridade passa bem.

Esta entrada foi publicada em Crônicas. Adicione o link permanente aos seus favoritos.