Na trave

Trave

A vida e o futebol possuem muitas semelhanças.
Outro dia, assistindo a uma partida, vi o jogador receber um passe magistral de calcanhar, driblar dois adversários, ver o goleiro adiantado e o encobrir.
Golaço? Não. Na trave. No mesmo jogo, a equipe derrotada chutou quatro vezes na trave.
A trave é um obstáculo ao gol. A trave impede que seu desejo se realize.
Envio uma ideia para um amigo que trabalha na TV. Ele adora. Pede pra eu desenvolver o projeto. Na semana seguinte, o núcleo ao qual ele pertencia é desativado. Na trave.
Passo para a a segunda etapa de uma seleção para uma oficina de roteiristas de uma grande emissora. Espero o dia da resposta pra ver se fui aprovado. O email diz que infelizmente não foi dessa vez. Trave.
Um amigo que sempre sonhou em ganhar na loteria, apostou cem reais. Conferiu. Acertou cinco dos seis números. Vibrou. A sorte estava do lado dele. Dele e de mais 65 pessoas. Recorde de vencedores. Recebeu 98 reais. Trave.
A trave é democrática. Está no caminho do perna-de-pau e do craque. Do Vágner Love ao Messi, todo jogador já teve sua jogada interrompida pela haste que sustenta o gol.
É isso: a trave sustenta o gol.
Sem trave não há gol. A trave está grudada ao gol. O “não” está perto do “sim”.
Às vezes, dá vontade de pendurar a chuteira, parar de chutar. Mas, de repente, um chute despretensioso entra. Bola na rede.
A alegria do gol compensa toda frustração da trave.
Vou continuar em campo. Tentando, arriscando, tabelando com a trave.
Quem sabe um dia não viro artilheiro?

Esta entrada foi publicada em Crônicas. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para Na trave

  1. Fernando Gondim disse:

    Caro Ricardo

    Afinal de contas, como disse o sábio Parreira: “O gol é apenas um detalhe.” Você é craque no que faz, e isso é o que importa.
    Abraço

    Fernando Gondim

Os comentários estão fechados.