Previsível

Fico decepcionado quando assisto a um filme ou leio um livro e descubro com muita antecedência como a história vai se desenvolver.
Isso acontece não por ser um gênio, mas por que certas (muitas) obras são previsíveis.
Quando isso acontece, parte do objetivo do longa-metragem ou obra literária não foi atingido: Surpreender. Além de entreter, uma manifestação artística deve trazer algo novo, inusitado.
Mas a previsibilidade não está restrita à arte. No dia-a-dia ela é figura recorrente.
A reclamação sobre a segunda-feira. Flores no dia dos namorados. As mesmas piadas quando seu time perde. Exemplos previsíveis sobre previsibilidade
Nem tudo que é previsível é ruim. Almoçar todo domingo na casa da mãe, receber os parabéns dos amigos no aniversário, comemorar o natal com árvores enfeitadas e presentes. Tudo previsivelmente agradável.
Ser surpreendente também não significa ser obrigatoriamente bom.
Mas como é bom receber uma ligação de quem não liga há muito tempo, ganhar um presente do dia do nada, ler uma frase desconcertante num livro ou ver uma cena inesperada em um filme.
Gosto de filme com final feliz. Porém, gosto mais quando o caminho até esse desfecho previsível me surpreende.
Por fim, achei minha camisa branca. ( Final surpreendente, hein?)

Esta entrada foi publicada em Crônicas. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para Previsível

  1. Michel Torres disse:

    O final me lembrou os filmes brasileiros de outrora. 😉

Os comentários estão fechados.