Vai saber

Estevão não sabe, mas vai morrer hoje, às 16h37, atropelado.
Vai morrer sem saber que a Mariana, do departamento comercial, é apaixonada por ele.
Jamais saberá o quanto seu irmão mais novo lhe admira pelos seus conselhos sensatos.
Estevão vai para a sepultura sem nunca ter suspeitado que uma ligação sua, despretensiosa, impediu que sua prima se suicidasse.
Leandro não terá mais tempo para dizer que gostava mais do Estevão do que do próprio pai.
Estevão não terá a oportunidade de saber que Gabriela o perdoou pela grosseria no Natal.
Estevão jamais vai saber que o André invejava sua inteligência; que Dona Antônia o considerava o genro ideal, que o Marcelo quis ser advogado por causa dele; que a Sandra só o chamara de “dono da verdade, arrogante” na hora da raiva.
Estevão nunca vai saber o quanto era querido.
Por que será que não deixamos as pessoas saberem o quanto gostamos delas?
Vai saber…

Esta entrada foi publicada em Crônicas. Adicione o link permanente aos seus favoritos.